Conte sua História. Bosch Service 90 Anos.

Como você sabe, em comemoração aos 90 anos da Bosch Service, convidamos todo mundo que faz parte desta conquista a contar algum acontecimento vivido ou presenciado em sua oficina. O tema era livre, valia qualquer tipo de história: engraçadas, emocionantes e até mesmo as curiosas. O mais importante era a gente poder conhecer um pouco do que aconteceu nestes longos anos de existência.

Eles fazem parte da Bosch, compartilharam suas experiências e foram escolhidos os grandes vencedores do concurso.


Confira quem são e o que eles contaram para a gente:
Busca
Para fazer uma busca pelo site,
clique aqui
Região
RS e SC
O Incêndio A História
Região
SP
A história de nossas histórias O trator bicho
Região
MG, RJ, ES
Uma história de sucesso Essa é a nossa história
Região
PR e Centro-
Oeste
Arquivo Confidencial Como tudo começou
Região
Norte e Nordeste
Unidiesel e o jeep campeão A História de Zé Duqueza
Fechar
O incêndio

Bosch Service, um sonho que veio de longos anos. Ser um Posto Autorizado Bosch Service já era mais que um sonho, era uma questão de honra. Foram 17 anos de espera até conseguir ser nomeado Autorizado Bosch.

Nossa! Sonho realizado.

Em 2011, faremos 20 anos de empresa e 3 anos de Posto Autorizado Bosch. Mas acredito que veio no momento certo, nada acontece por acaso.

Com isso, abraçamos uma responsabilidade, além de muito trabalho em equipe e parcerias. Muitas histórias poderiam ser contadas, mas uma em especial marcou muito mais a nossa trajetória.

Em 19 de julho de 2010, passamos por um incêndio. Foi um baita susto, além de muitas perdas.

Madrugada fria e chuvosa, nunca vou esquecer.

O alarme disparou, sorte que moramos na parte superior do prédio. Até então, pensava que se tratava de um roubo. Mas logo me certifiquei de que era mesmo um incêndio. A princípio, tirei minha família da casa.

Enquanto minha esposa chamava os bombeiros, eu não me contive em esperar. Fui logo pegando o extintor de incêndio, mas quando vi que não estava dando conta, peguei a mangueira de água e fui logo tentando conter as chamas.

Foi muito rápido, devastador e muito triste. Perdemos toda a parte administrativa, além do prédio todo ter ficado com uma aparência horrível.

Depois de vinte minutos, os bombeiros chegaram, mas posso até falar: se não fosse por mim, "Ademar" teria sido muito pior. Pensa! Vinte minutos é muito tempo.

Minha casa, meu patrimônio e minha máquina nova de teste 815 – Common Rail: estava tudo em jogo. Além dos carros de meus clientes, o pátio estava lotado de Pajeros.

Foi mesmo um susto do qual jamais esqueceremos. Agradeço a Deus por não ter acontecido algo muito pior.

Minha família estava bem, conseguimos conter o incêndio, restou mesmo esperar amanhecer para ver os prejuízos que não foram poucos.

Aprendi que não existiam problemas antes de tudo isso acontecer e que os problemas vieram a partir daí.

Tive que colocar a cabeça no lugar e fazê-la funcionar com muita calma, paciência e muita força de vontade para recomeçar.

Precisei improvisar um local para atender meus clientes, emitir as Notas Fiscais, receber e pagar.

Nossa! Tanta coisa, mas jamais pensei em desistir. Acho que uma força muito maior me fazia eu levantar todos os dias cedo e pensar que iria conseguir.

Agradeço também a minha equipe de trabalho que me ajudou nos dias mais difíceis, aos clientes e principalmente a minha família que ficou do meu lado.

E realmente, hoje estamos aqui muito mais fortes, animados e preparados para quase tudo, menos incêndio.

Fechar
Quinjalmo, a história

O início no ramo
A história começou em 1964, quando Djalmo, fundador da empresa, na época com 12 anos de idade, começou a trabalhar em uma oficina elétrica na cidade de Campo Bom, indicado pelo seu primo Milton Kirsch, empresário do ramo metalúrgico.

Pouco tempo depois, destacou-se na empresa em que trabalhava. Em negociação entre o futuro patrão com o atual, Djalmo, com então 14 anos, foi convidado a trabalhar em outra autoelétrica em Novo Hamburgo, cidade vizinha e a mais famosa da região na época, na qual trabalhou até seus 19 anos.

O início da empresa

Foi então que, em 1971, Djalmo iniciou as atividades com uma pequena oficina elétrica no pátio de um posto de combustível, motivado por amigos e ainda pela razão de que, na cidade de Campo Bom, não havia mais o serviço de manutenção em veículos.

Em 1974, com a junção de dois nomes, o então sócio Quintino e Djalmo, foi fundada a Quinjalmo. No começo foi difícil, o espaço era pequeno, os recursos eram poucos, mas nunca se pensou em desistir.

Em 1979, foi desfeita a sociedade. No lugar do antigo sócio entra sua esposa, decidindo mudar a oficina para outro local, junto de uma borracharia.

Já em 1980, com os esforços do casal, foram adquiridos dois terrenos na Avenida dos Municípios, uma das mais importantes da cidade, e construído um prédio de 80 m2.

O tempo foi passando, foram adquirindo experiência, a situação foi melhorando e logo obtiveram resultados de seus esforços.

Bosch Serviço
Foi então que, em 1982, a Bosch realizou uma pesquisa na região pelo trabalho de qualidade desenvolvido pela Quinjalmo. A empresa foi convidada pelo Sr. Ademar Gazzola, promotor Bosch da época, a participar da Rede de Serviço Autorizado Bosch.

Com isso veio a mudança na fachada e no veículo, para adequar-se à padronização e qualidade da Bosch.





Início da qualificação
Logo Djalmo decidiu qualificar-se ainda mais. Foi então que, no mesmo ano de 1982, fez seu primeiro curso no Centro de Treinamento Bosch em Campinas com o instrutor Vilmar.

A expansão
Com o crescimento do número de clientes, o espaço tornouse pequeno e logo houve a necessidade de aumentar o prédio e a gama de serviços.

Novo layout
No início dos anos 90, já com oito terrenos adquiridos no total, foram feitas novas ampliações na empresa e mudado o novo layout Bosch da época.


Bosch Baterias
Na foto abaixo, colaboradores da Bosch nos anos 90, da esquerda para a direita: Sr. José Carlos Alquati, Promotor Regional Bosch na época; Sr. Geraldo Dierks, também Promotor e atual; no centro, Sr. Djalmo, proprietário da Quinjalmo; Srta. Karine, filha e atualmente Gerente de Qualidade da empresa, mais a direita o Sr. Salvador Lima, que na época também, era Promotor da região da multinacional; Sr. Mario, que na época era Coordenador de Vendas das Baterias Bosch.

A reunião foi realizada com o objetivo de negociar a comercialização de baterias Bosch, que firmou parceria até os dias atuais.

Visita
O Sr. Barthel, Gerente de Assistência Técnica da Bosch, e o Sr. Coutinho, Coordenador Regional, visitaram a Quinjalmo no início da década de 1990 para elogiar o bom trabalho realizado pela empresa para a Bosch e seus clientes.

Novo Conceito Bosch Service

No início do milênio, a Bosch implantou mundialmente o novo conceito Bosch Service, que veio ao encontro do primeiro planejamento estratégico desenvolvido pela empresa.

Dias atuais


Hoje são mais de 1.700 m2 de área construída, vinte colaboradores, entre eles os quatro filhos do fundador, Karine (Gerente de Qualidade), Karen (Gerente de Relacionamento com Cliente), Marcelo (Gerente de Compras) e Marcos (Gerente de Serviços), mais as duas noras, Modigliane (Atendimento), Sanai (Administrativo) e a esposa Nelci (Direção), todos engajados na empresa e com alguma formação voltada para o negócio da família.

Todos os colaboradores são de suma importância no negócio, conhecem as metas e a direção que a empresa quer seguir, todos participam de reuniões, cursos, treinamentos e outros indicados pela empresa para a qualificação e crescimento pessoal e profissional.

A empresa exige pelo menos uma qualificação mínima na área, além dos treinamentos realizados pelo Super Profissionais Bosch, a maioria de seus técnicos tem alguma formação.

Além da qualificação, a empresa ainda possui e disponibiliza equipamentos e ferramental de última geração para seus colaboradores prestarem um serviço qualificado a seus clientes.

Um grande diferencial comprovado por pesquisas periódicas realizadas pela Quinjalmo é o atendimento diferenciado realizado a seus clientes. Este é o primeiro fator determinante apontado pela escolha da realização de serviços na empresa.

Abaixo algumas fotos da empresa.


















Sobre a cidade em que se situa
A empresa está localizada em Campo Bom, no Rio Grande do Sul. é uma cidade limpa, organizada e segura, que investe 40% da sua arrecadação com educação, e hoje é a terceira melhor cidade do estado em desenvolvimento social, além do orgulho por ter a maior ciclovia da América Latina.

Situada no Vale dos Sinos, na grande Porto Alegre, fica a 50 km da capital gaúcha. Cidade de colonização predominantemente alemã, possui cerca de 60 mil habitantes e tem a maior parte de sua economia voltada para a fabricação de calçados.




Prêmio Qualidade RS
No ano de 2000, a empresa entrou em uma grande renovação de gestão e qualidade, dando início a esses processos baseados no PGQP (Programa Gaúcho de Qualidade e Produtividade).

Logo em seguida, a Bosch implantou o Bosch Service, em substituição ao antigo conceito de Serviço Autorizado Bosch. Esse novo conceito de manutenção de para-choque a para-choque coincidiu com o novo planejamento estratégico desenvolvido pela empresa, que era aumentar a gama de serviços oferecidos.

Em 2006, com toda a qualificação desenvolvida desde 2000, a empresa foi premiada com a Medalha Bronze pelo sistema de avaliação do PGQP.

Com certeza, este foi um dos momentos mais alegres da empresa, o recebimento da medalha, que ocorreu no dia 4 de julho de 2006 na FIERGS, em Porto Alegre.

Foi emocionante, todos os colaboradores foram ao evento para fazer torcida e acompanhar o momento do recebimento do prêmio.

Grandes personalidades no assunto entavam presentes, entre eles o Sr. Jorge Gerdau Johannpeter, pioneiro e o grande incentivador da Qualidade no Rio Grande do Sul e no país.




Ações sociais
Entre as várias ações que a empresa realiza durante o ano, a principal e de suma importância é a Campanha do Agasalho, que realiza a arrecadação entre seus colaboradores, clientes e a sociedade, recebendo roupas, calçados, entre outros, que são distribuídos com o auxílio dos agentes de saúde do bairro e distribuídos diretamente para famílias necessitadas da região.



Ações ambientais
A empresa tem grande preocupação com a preservação ambiental e destina todos os seus resíduos corretamente por meio de empresas certificadas que fazem o recolhimento dos resíduos gerados por ela.

Além de tratar os impactos de suas atividades, a empresa preocupa-se em recuperar o meio ambiente. Há vários anos a empresa é a pioneira em realizar o recolhimento do lixo de trechos do arroio Schmidt, um dos principais da cidade.

Também entre as várias ações ambientais realizadas pela empresa, atualmente o Sr. Djalmo é o coordenador do grupo denominado "Amigos do Arroio", que impulsionados pela Quinjalmo, conseguem engajar empresas, escolas, associações de bairros, prefeitura e secretaria do meio ambiente para promover mutirões de limpeza do local.





Penélope Charmosa
Entre os eventos promovidos pela Quinjalmo, temos o Penélope Charmosa, que é destinado as clientes mulheres, que tem por objetivo reuni-las para falar sobre a manutenção preventiva de seus veículos, além de tirar suas dúvidas. Esse evento sempre é o mais esperado e comentado durante todo o ano, no último evento, reuniu cerca de 140 mulheres.





Reunião com colaboradores e familiares
A empresa realiza reuniões gerais com seus colaboradores uma vez ao mês. Além disso, a empresa também realiza uma vez ao ano, geralmente no início, uma reunião geral com seus colaboradores e seus familiares, para divulgar os resultados alcançados no ano anterior e divulgar as metas para o atual.

Essas reuniões são realizadas fora da empresa, geralmente em algum sítio ou algo assim, locado pela empresa e que tem por objetivo fazer com que os familiares conheçam e se envolvam mais com a empresa. Eles recebem premiações pela participação dos resultados alcançados.

Após a reunião, a Quinjalmo proporciona almoço para todos e, depois, as famílias estão liberadas para aproveitar os atrativos do local com seus colegas e familiares.





Sobre os colaboradores
A empresa tem orgulho de ter colaboradores que trabalharam e ainda trabalham há muitos anos na empresa, vivenciando e ajudando a formar a história da Quinjalmo.

Um deles foi o Sr. Vilmar Nunes da Silva, que trabalhou por 30 anos na empresa e que hoje está aposentado.

Atualmente, a colaboradora Marcia Feliciano dos Santos Rech, que trabalha no setor do caixa, completou 24 anos de trabalho na empresa.

Há outros integrantes, como o Sr. Sandor Innocente, que está há 18 anos como técnico eletricista, e os que estão há 10 anos na empresa. Isso nos deixa muito orgulhosos.

Clientes atípicos
Como em todo local de atendimento ao público, existem vários clientes atípicos. Um deles é um cliente que sempre chama o Sr. Djalmo e os técnicos da oficina de doutor e todos os seus carros de "caminhãozinho".

Isso certa vez até gerou uma pequena confusão, pois a recepcionista não entendia se o veículo em que o serviço seria realizado era um carro ou um caminhão. Mas depois de um tempo, quando o cliente vinha até a empresa fazer outros serviços, os atendentes já sabiam desse tratamento incomum no qual o cliente se distinguia. Quando ele dizia que queria arrumar seu "caminhãozinho", estava referindose ao carro.

Há também outro cliente que vem à lembrança nesse momento, já aposentado, com uma condição financeira boa e estável, distinto, com personalidade forte e muito exigente. Esse cliente tem quatro veículos da marca BMW, defende a marca e as virtudes dos veículos vigorosamente.

Mora a mais de 50 km da empresa, mas geralmente não fica muito tempo sem vir até a Quinjalmo. Sempre quando comparece à empresa, conversa com todos os colaboradores por mais de horas. Conhece e trata todos pelo nome, entra nas dependências internas da empresa para conversar com o pessoal, conta piadas, fala sobre veículos, ensina receitas culinárias, fala sobre vinhos e os mais diversos assuntos.

O interessante é que ele uma vez mencionou que tem pouca coisa para fazer, pois é aposentado, gosta de veículos e faz algumas viagens longas com eles. Vem até a oficina para realizar serviços nos carros, aproveitar para descontrair-se com o pessoal e ter o que fazer.

A empresa tem muito orgulho de ter esses clientes, principalmente como este último, extremamente exigente, o que comprova o bom atendimento e a qualificação dos serviços da empresa.

Promotores Bosch
Os promotores são como colaboradores, também fazem parte da empresa indiretamente, como os senhores Ademar Gazzola, José Carlos Alquati, Salvador Lima, Jairo Dalpiaz, Arnos Simas, Sidnei Ghinzeli e Elias Fleck. Alguns deles não são mais colaboradores da Bosch, mas ainda nos visitam ou mantêm contato.

Alguns promotores, assim como alguns fornecedores, tornam-se mais que simples colaboradores, viram parceiros e também grandes amigos. é o caso do atual promotor regional Geraldo Dierks e sua família, que acompanha os momentos da empresa desde 1987 e que hoje o recebemos como um grande amigo.

Fornecedores
Não podemos deixar de citar os fornecedores, pois alguns deles, além de fornecedores, são amigos e alguns acompanharam a história da empresa. Um deles é o Félix, atual gerente da unidade da Eletropar de Campinas e que por muitos anos esteve presente em momentos marcantes da empresa.

Há também o Sr. Barth, vendedor da Pellegrino de Porto Alegre, que por mais de 30 anos atendeu a Quinjalmo. Ele comparecia à empresa todas as quartas-feiras de manhã, entre 8h30 e 9h. O Sr. Djalmo já o conhecia antes mesmo de abrir a sua própria empresa, quando era funcionário da autoelétrica da cidade de Novo Hamburgo.

Infelizmente o Sr. Barth veio a falecer com pouco mais de 90 anos. Apesar da idade, ele ainda fazia suas visitas de rotina à empresa e, pouco antes de falecer, nossa empresa o homenageou pelos seus 90 anos de idade e de vários anos de parceria.

São vários que, além da parceria, são muito amigos, como o Sr. Osmar, Pereira, Sandro, Santos, Abreu e Letícia da Distribuidora, o Sr. Ingo, Félix e Cristian da Eletropar, o Sr. Luciano e Fernando da Pellegrino, o Sr. José Carlos e Iselda da Pégasus, a Moema, Michelle e Suelem da SK, o Anderson, Jefferson, Cleiton e Fabrício da Filtralub, o Sr. Ademar e Olavo da Teknodiesel, entre outros que são muitos e não foram citados neste texto, mas que também fizeram e fazem parte da história da Quinjalmo.





Momentos Alegres

Copa Sama
Um dos momentos muito alegres para a empresa foi a Copa Sama de Futebol realizada em 2001. O torneio, promovido pela a Distribuidora para seus clientes, teve alguns meses de duração.

A Quinjalmo formou um time só com os seus colaboradores para a disputa do evento, levou o prêmio de equipe mais disciplinada e terminou em 12º lugar entre as 60 empresas que disputaram o torneio.

Em uma das rodadas, a empresa levou todos os familiares dos colaboradores para acompanhar o jogo e ainda promoveu um divertido dia com churrasco e confraternização, que foi inesquecível e alegre.

Stock Car
Os eventos da Stock Car, patrocinados pela Bosch, são momentos alegres, divertidos e de descontração, que promovem um grande ciclo de amizades e confraternização entre promotores, fornecedores e serviços Bosch.



Amizades

Grupo de Oficinas G13
A Bosch une mais que empresas, une também pessoas em prol do progresso do país e do social. Hoje existe um grupo de oficinas Bosch Service, de Porto Alegre e da região metropolitana, denominado "G13", que se reúne uma vez por mês em alguma das oficinas do grupo para trocar ideias, experiências e formar parcerias.

Foi a Quinjalmo quem deu início e incentivou a união dessas empresas, sempre pensando em fortificar e Rede Bosch Service. Hoje elas possuem alguns benefícios alcançados por estarem nesse grupo.

Todo final de ano é realizada uma confraternização que reúne essas empresas, promotores Bosch e fornecedores.


Histórias engraçadas

Dentes do Burrinho
Certo dia chegou um cliente na oficina e falou para a recepcionista, que era novata na época, que queria arrumar os dentes do burrinho dele. A moça, sem entender nada, pergunta novamente, e ele repete: "Quero arrumar os dentes do meu burrinho".

Ela, apavorada, chama o Sr. Djalmo em um canto, dizendo que o cliente estava enganado e conta-lhe o pedido do cliente, afirmando em seguida: "O senhor não é veterinário, e sim eletricista".

Alguns dos colaboradores da empresa estavam por perto escutando essa última conversa e todos deram gargalhadas, pois ela não estava entendendo que o que ele queria era simplesmente trocar o impulsor do motor de partida do veículo.

As gírias e os nomes estranhos eram e ainda são muito comuns na oficina, principalmente para o pessoal que trabalha diretamente no atendimento aos clientes.

Sai, Capeta
Em um dia de inverno, de muito frio, logo que a empresa abriu para atendimento, um cliente chegou para buscar o seu carro que já estava pronto. Acompanhado pelo motorista da empresa, dirigiu-se até o veículo, que estava dentro da oficina, abriu a porta, sentou-se no banco, despediu-se, fechou a porta e quando foi dar a partida, ouviu-se um grito tenebroso alto e agudo que vinha de dentro do veículo: "UUUUAAAAAAUUUUUUUUUUUUUHHHHHHH".

Todos voltaram sua atenção para a direção em que estava o veículo. Um gato preto salta de dentro do carro pela janela do motorista e sai em disparada pelo portão. O veículo havia ficado com a janela aberta e, durante a noite, um gato entrou por ela para dormir. O bichano estava dormindo no tapete do banco traseiro e, antes de sair e durante o grito horripilante, o gato até andou pelo forro do carro, de tão arisco que era.

O mais engraçado foi que alguns voltaram-se em direção ao ocorrido para ver como estava o dono do carro, que se encontrava pálido, sentado, imóvel e expressou a frase: "UUUUUIIIIIHHHHHH, SAI, CAPETA, achei que tinha chegado a minha hora e o Demo havia vindo me buscar".

O interessante é que o cliente era careca, se não com certeza estaria com os cabelos arrepiados.

Finalizando

Foi apresentada, resumidamente, a trajetória dos 37 anos da Quinjalmo e dos 29 anos de Bosch. Ficaram de fora várias histórias, fotos e personagens com inúmeros assuntos que poderiam ser abordados.

Agradecemos às pessoas que colaboraram para a realização desse relato. Se você quiser conhecer um pouco mais da nossa história, entre em contato conosco, teremos prazer em atendê-los.

Fechar
A história de nossas histórias

Início
Tudo começou em 1962, na cidade de Catanduva, interior de São Paulo.

Meu pai, Tohoru Matsushima, filho de família oriental e criado com uma cultura rígida, passou sua infância trabalhando com seus irmãos na lavoura, melhor dizendo, numa pequena horta da família.

Ele tinha certa experiência em autoelétrica de seu emprego anterior, que cá entre nós não foi nada fácil, por sermos de família oriental e tradicionalmente se cultivava a cultura e a obediência.

A mudança
Em busca de novos conhecimentos, contrariou seus pais e foi à procura de um sonho. Foi então que arrumou seu primeiro emprego como ajudante em uma autoelétrica em Catanduva. Que mais tarde veio a se tornar autorizada Bosch.

Seu prazer com a profissão foi tanto que mesmo sem à aprovação de seus pais vinha todos os dias do sítio para a Cidade montado em uma bicicleta para trabalhar.

O casamento
Com os passar dos anos, veio a juventude e começou a namorar Nair Matsushima, minha mãe. Depois de aproximadamente 2 anos de namoro, casaram-se e, como herança, recebeu sua bicicleta.

Mas como no início de casamento não é fácil, chegaram as dificuldades. Alugaram uma casa e os únicos móveis que tinham era uma cama, um fogão velho e uma caixa de madeira para se sentarem.

Foram anos de muitos sacrifício, até que então veio a notícia da gravidez.

Estavam muito felizes, mas a preocupação dobrou! E para ajudar no orçamento da casa, minha mãe começou a costurar para uma fábrica a troco de centavos, isso mesmo, centavos! Mas foi com esses centavos que nossa história começou a mudar.

O conselho
Certo dia, meu pai recebeu uma visita. Meu avô. Meu pai, sem entender muita coisa, começou a ouvi-lo.

Foi então que ele disse uma frase que estava prestes a mudar nossas vidas para sempre! DEIXE DE SER EMPREGADO E SEJA PATRãO!

E assim...

Meu pai ficou impressionado com aquilo, ainda mais por saber da reprovação que meu avô tinha perante o filho em deixar de trabalhar no sítio para ir para a cidade.

Mas foi com a coragem de meu avô e a fibra de meu pai que as coisas começaram a mudar. Meu avô disse uma frase que nunca cansarei de lembrá-la:
VOCê Já TEM O QUE PRECISA PARA SER UM HOMEM DE SUCESSO: O CONHECIMENTO!

O reconhecimento
Foi assim que meu pai deu a notícia a seus patrões, mas em reconhecimento disse que montaria uma autoelétrica em outra cidade.

Despediu-se dos antigos patrões e agradeceu pela maior herança que recebera em sua vida: o conhecimento.

A primeira oficina
Mudamos para Monte Alto-SP. Alugamos um corredor ao lado de uma máquina de beneficiamento de arroz, espaço que mal cabia duas pessoas. Colocamos na calçada um expositor com algumas peças usadas para mostrar que ali estava instalada uma autoelétrica.

Foram momentos muito difíceis, por termos vindo de outra cidade e sem conhecermos ninguém.

Os carros eram concertados na rua mesmo. E com o passar do tempo fomos adquirindo credibilidade na cidade e as coisas começaram a melhorar!

A paixão
Minha paixão era tanta pela oficina que, com apenas 7 anos de idade, saía da escola e vinha correndo para poder ajudar meu pai a trocar lâmpadas e lavar as peças dos carros. Amava tudo aquilo!

O puxão de orelha
Como minha paixão era imensa por aquele mundo, esquecera- me que era criança e tinha outras coisas para viver, como correr, jogar bola... Até que um dia minha mãe recebeu um recado que precisava ir à escola com urgência! Fiquei tremendo de medo!

E, para minha tristeza, a diretora disse à minha mãe que tomasse providências, porque eu estava indo para a escola com as mãos e as unhas sujas de graxa.

Fiquei arrasado! Ainda mais por ter feito minha mãe passar vergonha. Ela não tinha culpa, vivia me dizendo para largar tudo aquilo e ir brincar.

Com o passar do tempo
Mesmo tentando, não conseguia largar aquele vício, quando menos esperava, estava eu lá novamente debaixo dos carros fuçando. Quando percebi, já estava com 15 anos e ainda continuava apaixonado pela oficina.

Primeiro sonho realizado
Depois de longo tempo, conseguimos comprar nossa primeira casa. Nunca vi minha mãe tão feliz com aquela pequenina casa, fazia jus à música do quadro Lar Doce Lar do Programa Caldeirão do Huck: "Era uma casa muito engraçada, não tinha teto, não tinha nada... mas era feita com muitos esmeros, porque felizes vivíamos ali".

A oportunidade
Na esquina da oficina, tinha uma casa antiga, que vivíamos cobiçando. E recebemos a notícia de que ela talvez fosse colocada à venda.

Meu pai procurou a proprietária e ela confirmou a venda da casa. Só tinha um pequeno detalhe, ela estava vendendo... Mas e o dinheiro? Como compraríamos sem dinheiro?

única solução
Oportunidade dessas não aparece duas vezes, então a única solução foi vender a casa! A tão sonhada casa!
Oh, meus Deus! Quanto sofrimento!

Depois de negociarmos com a proprietária, foi feita a compra da casa com a venda da antiga e com mais um bom tanto de dinheiro que o banco nos arrumou.

Segundo sonho realizado
Com a compra da nova casa, fizemos algumas adaptações e montamos uma casa/oficina. Dividimos uma parte para ser residência e deixamos a esquina para ser a oficina.

Que Alegria! Nossa Oficina! O que parecia impossível se tornou realidade!

Tempo depois
O tempo foi passando, a oficina estava indo bem e com a ajuda do ex-presidente Sarnei (juros altíssimos da poupança), fomos conquistando nosso espaço.

Construímos minha casa e a da minha irmã Alessandra, reformamos a oficina e construímos um sobrado em cima da casa antiga de meus pais.

Mudança geral
Depois de 35 anos, as coisas começaram a complicar. Meus pais, já com idade, não tinham mais tempo nem paciência para controlar a oficina.

Meu pai então me disse: "Daqui para frente você vai administrar a oficina!" E agora? O que fazer?

Novos desafios
Percebi que as coisas não eram fáceis como aparentavam ser, é fácil criticar, opinar quando está de fora. Dei muito mais valor às palavras sábias de meu pai. Mas tinha que tomar frente e fazer algumas mudanças, se não quisesse perder a oficina.

Revolucionando
Percebi que não poderia mais continuar tendo a mesma visão de antigamente, até então fazíamos apenas serviços elétricos.

Comecei a fazer cursos de INJEçãO ELETRôNICA. Foi então que surgiu a ideia de acrescentar serviços mecânicos.

Contratamos um mecânico com experiência e começamos a fazer manutenção em motores e cabeçotes.

Sucesso total
Visita supervisor Bosch Car Service

Quando menos esperávamos, recebemos a visita de um supervisor regional da Bosch! Confesso que ficamos com receio, mas ouvíamos atentamente suas palavras e explicações.

A proposta
Até que surgiu a proposta de sermos candidatos à Bosch Car Service! Como isso é um privilégio para poucos, ficamos felizes e, assim, tivemos a certeza de que estávamos no caminho correto.

Um ano de parceria
Desde a visita do supervisor, a nomeação da candidatura passou a ser de um ano, e esse um ano foi de parceria total.

Nesse intervalo de tempo, tivemos assessoria da Bosch, dos supervisores e dos funcionários tirando nossas dúvidas e medos.

Bosch também é prazer
Nesse um ano, aconteceram muitas coisas:

  • Convenção em Salvador–Bahia
  • Participações Stock Car – Etapa Bahia/Ribeirão Preto
  • Confraternização da Rede na Região de Ribeirão Preto
  • Comitê São José do Rio Preto
  • Palestras
  • Cursos profissionalizantes











Retribuindo sucesso
Depois de tanto sucesso com a parceria, adquirimos confiança na rede e na empresa. Resolvemos unir o útil ao agradável e tivemos a coragem de atingir novos objetivos.

Novos horizontes
Como havíamos dito antes, depois do apoio e da confiança que a Bosch nos passou, adquirimos um novo terreno e, em breve, estaremos com uma loja mais ampla e sofisticada para melhor atender nossos clientes.

Sucesso continua
Temos certeza de que esta é apenas mais uma de muitas vitórias que iremos atingir juntos num futuro próximo!
Obrigado, Rede Bosch Car Service!



Agradecimentos
Para finalizar, gostaria de agradecer primeiramente a Deus por ter me dado a vida!
Segundo, aos meus pais, pela bagagem de conhecimentos que me passaram.
Terceiro, à minha esposa, pelo apoio e conhecimento na área administrativa, sem ela não teria conseguido chegar até aqui.
Quarto, aos meus funcionários, pela qualidade em seu profissionalismo.
Quinto, sexto, sétimo... à Bosch e, em especial, ao supervisor Roberto e também ao Júlio Hamamura, por ter entrado em nossas vidas e ter nos proporcionado conhecer novos amigos, compartilhando muitos momentos de alegria.

Fechar
O trator bicho

Em 1979, aconteceu um fato inesquecível. Um cliente do posto Bosch ligou para pedir socorro a um trator que não entrava em funcionamento.

O especialista Bosch foi até o sítio e se deparou com um trator Ford ano 54 a gasolina. Só de tentar dar partida, percebeu que o problema era falta de bateria. Como o trator possuía manivela, sugeriu ao cliente que, em situação de emergência, poderia desengatar o trator, ligar a chave, puxar o acelerador e girar a manivela duas ou três vezes, que o trator funcionaria mesmo sem bateria. O cliente, admirado, viu seu veículo funcionar e ficou satisfeito com o atendimento.

No dia seguinte, o cliente apareceu no posto autorizado, ofegante e desesperado, e disse:
– Fiz o que o senhor me disse, mas o bicho não obedeceu e veio para cima de mim, sorte que eu estava armado com meu machado e tive que dar oito ou dez machadadas na "abeieira" dele para parar.

Depois de acalmá-lo, explicamos que ele havia se esquecido de desengatar o veículo, e que a "abeieira" que ele falou na verdade era o radiador.

Fechar
Eletro Geral Bosch: uma história de sucesso

Existem muitas maneiras de começar uma história. Esta começa há 34 anos, com o sonho de um homem. Otoni de Assis Alves, o seu Toninho, sonhava em ter um negócio bem-sucedido na área de peças e serviços automotivos na cidade de Janaúba-MG.

Janaúba possuía um campo de trabalho com grande demanda de serviços, no entanto, por ser uma cidade pequena e interiorana, era extremamente restrita, devido à insuficiência de peças, serviços e mão de obra qualificada.

Esse cenário inquietava seu Toninho que, em vez de dificuldade, viu nisso uma oportunidade de mercado.

Com o objetivo de iniciar um negócio que lhe garantisse sucesso por toda a vida, ele passou a estudar estratégias para aproveitar com êxito esse campo de trabalho. Pesquisou uma forma de introdução de novos produtos e serviços que primassem pela parte mecânica e elétrica em geral e pensou novas formas de organização que promovessem a exploração de novos recursos e matérias.

Com pensamento voltado para essa inovação e olhar antenado no futuro, sempre ligado ao mundo e buscando cada vez mais novos conhecimentos para enfrentar seus desafios, seu Toninho ousou: em 1977, visitou a Rede Bosch em Campinas-SP e encontrou ali a ferramenta de que precisava para criar as condições vitais para o alcance dos seus objetivos.

Nascia ali uma forte e promissora parceria, cujo fruto foi a criação da Eletro Geral Bosch, inaugurada em Janaúba em 3 de outubro de 1977. Com oficinas equipadas com tecnologia de ponta e uma ampla linha de produtos e serviços, a Bosch fez suas ideias transformarem-se em realidade.

A empresa deu seus primeiros passos com poucos funcionários, sempre tendo como referência a excelência na qualidade de seus serviços.

Foi preciso formar mão de obra, mudar conceitos e, assim, a Eletro Geral Bosch instaurou em Janaúba novos paradigmas. Seu Toninho agora era conhecido como Toninho da Bosch.

A cidade precisava crescer e a empresa de seu Toninho configurou-se como uma das pioneiras a alavancar o seu progresso, de forma que a história do desenvolvimento da cidade se entrelaça ao crescimento da Eletro Geral, suas potencialidades econômicas e referência na região norte mineira.

Dez anos depois, Janaúba assistia à inauguração da Eletro Geral em nova sede, à rua São João da Ponte, nº 940, no bairro São Gonçalo, com uma área de 4.000 m2, sendo 1.500 m2 de área construída. Esse espaço mais amplo e planejado para adequar às necessidades reais de seu crescimento criou condições específicas e diferenciadas de atendimento, possibilitando novas conquistas e avanços.

O sucesso da empresa motivava cada vez mais o Sr. Otoni e, para consolidar seu trabalho, ele se doava plenamente à empresa, criando sempre oportunidades e se envolvendo com elas, entregando-se de corpo e alma para alcançar seus objetivos, tanto no plano profissional, quanto no familiar e pessoal.

Os anos foram passando e a Eletro Geral Bosch foi ganhando força. Já era uma empresa sólida de renome regional. Era um sonho que se tornou realidade. Uma realidade cujas raízes eram a visão empreendedora, a dedicação e o trabalho.

Em 1996, o seu Toninho veio a falecer e o futuro da empresa foi colocado em xeque. Toda a dor dessa imensa perda abalava os seus feitos, contudo seus frutos eram comungados por toda a sua família. Sem dúvida, havia um vínculo afetivo construído com a empresa, por isso, à sombra tutelar de seu Toninho, seus dois filhos Ana áurea e Paulo César deram continuidade ao sonho do pai, tomando como exemplo seu estímulo, fé e coragem.

Espelharam-se e também inovaram, superando desafios, apostando nas mudanças, reinventando sua história, fidelizando seus clientes.

Hoje, fazendo jus à Rede Bosch Car Service, a empresa tem completa linha de equipamentos e softwares para testes e diagnósticos computadorizados em ignição e injeção eletrônica e atende toda linha de veículos nacionais e importados com toda tecnologia Bosch.

Atualmente, nem sempre as pessoas reconhecem a empresa pelo nome Eletro Geral, mas sim pelo nome Bosch, que se constitui como referência nominal da empresa, sendo sua marca identitária. Especializada em injeção eletrônica e sistemas elétricos para autos, a empresa atende mais de 450 veículos por mês em prestação de serviços e peças.

Para isso, conta com a família Eletro Geral Bosch: seus 36 funcionários, fiéis colaboradores do seu sucesso, que compõem uma equipe altamente qualificada, que sempre busca o aprimoramento e o que há de mais avançado no segmento de reparação automotiva.

Por isso, nesses 90 anos do sucesso merecido e intransferível da Bosch Service, queremos também celebrar e compartilhar os 34 anos de nossa história, motivo de nosso orgulho e admiração. Para alguns, o sucesso dos negócios é pura sorte, mas para um empreendedor, como o seu Toninho da Bosch, é o resultado de sua ampla visão acompanhada de muitas ações.

Rejuvenescido, palpitante de vigor, cheio de vida, seu sonho ainda vive e tem no seio de sua família, por meio dos filhos, genro e netos, o compromisso renovado de continuar a sua jornada.



Fechar
Essa é a nossa história

A fundação da empresa ocorreu em 1990, com o nome Village Diesel, no bairro Village da cidade de Guanhães. Seus principais fundadores foram o Sr. Otacílio Netto e seu filho Cleiser Rocha Netto. A abertura dessa loja ocorreu depois que o "Sr. Cleiser", que na época tinha outro emprego na área, também de autopeças, visualizou uma oportunidade de crescimento: teve a visão empreendedora de adquirir seu próprio negócio.

Foi em 1994, com a ajuda financeira do pai, que na época vendeu seu caminhão Mercedes, fizeram uma análise de investimentos e decidiram abrir esse pequeno comércio de autopeças, que antes era do ramo de linha pesada, (peças para caminhões).

De início, nasceu pequena como a maioria das empresas, contando com apenas o irmão como vendedor e uma secretária para ajudar na área administrativa. Porém, foi a partir daí que começou a nascer uma das maiores e mais bem conceituadas empresa de autopeças na cidade de Guanhães.

Alguns anos depois de um crescimento considerável, a empresa começa a ampliar seus negócios, atuando em seu próprio estabelecimento. Com a expectativa de ampliar seu mercado, criou-se o grupo Village, com a abertura de mais duas outras lojas na cidade, que atualmente atuam em outros ramos, como instalação de som, acessórios e parte elétrica em veículos automotores. Uma empresa familiar que, a cada dia, vem vencendo os obstáculos com relevância e perseverança.

Atravessando as fronteiras do mercado competitivo, hoje existem três lojas do grupo Village na cidade. E, atualmente, a Village Auto Center Ltda. é a única autorizada Bosch Car Service, em Guanhães. A ideia de montar a oficina surgiu de um grande amigo e vendedor que até hoje está conosco.

Hoje temos a possibilidade de contar com a retaguarda técnica comercial e administrativa de uma empresa mundialmente respeitada e conhecida. Adquirindo experiências e atingindo as expectativas do mercado, essa parceria está cada dia mais dando certo.

A Village Auto Center preza em atender as necessidades de seus clientes, tendo em vista a satisfação destes e garantindo uma vantagem competitiva em relação aos seus concorrentes. Para isso, mantém um alto grau de qualidade e garantia dos seus produtos ofertados, pois dispõe de peças originais e uma grande variedade de produtos em seu estoque, e possui profissionais qualificados para atender a demanda das vendas.

E essa integração com a maior rede de oficinas do país tem histórias para contar:

No mês de novembro de 2010, o gestor resolveu fazer alguns investimentos devido à demanda do mercado, para melhor atender seus clientes e aumentar as vendas e os negócios. Resolveu transferir a oficina para outro lugar mais amplo e arejado, um estabelecimento ao lado. Foram dois meses de espera para as novas instalações e aquisição de equipamentos novos. Foi então que tudo estava certo para o dia seguinte: a grande inauguração.

As expectativas eram grandes, os funcionários todos com uniformes novos modelos da Bosch, e a espera dos clientes pela manhã no novo ambiente.

Pela manhã, para a nossa grande surpresa, a porta da loja estava realmente lotada. Mas não de novos clientes como esperávamos, e sim de um monte de cavalos (jegues). Foi um fato inusitado, em plena avenida da cidade seis cavalos estavam andando sem rumo e foram parar justo na porta da nossa loja em plena inauguração. Nossos mecânicos e alinhadores tiveram a brilhante ideia de alinhar e balancear as patas traseiras dos cavalos (estavam brincando, claro). Levamos na brincadeira o acontecido, dispensamos nossos inusitados "visitantes", limpamos as sujeiras deixadas por eles, que foram muitas, e continuamos dando sequência ao nosso dia. Para nós, foi um fato bem engraçado que contamos até hoje dando risadas. Esse dia da nossa inauguração ficou marcado.

Fechar
Arquivo confidencial

"Fiz a escalada da montanha da vida removendo pedras e plantando flores."
(Cora Coralina – poetisa goiana)

O arquivo confidencial de hoje contará a história da áGUIA DIESEL e de um personagem principal dessa história. A citação de nossa brilhante poetisa goiana, Cora Coralina, retrata a história de perdas, desafios, superação e vitórias em nossa caminhada ao longo dos 39 anos de nossa empresa.

A águia Diesel foi fundada em 1972, coincidentemente no ano em que nasceu o personagem dessa história. Em 1987, perdemos nosso pai, que até então era quem administrava a empresa de forma exemplar e de quem temos muito orgulho de falar. São inúmeras as pessoas que até hoje nos surpreendem com histórias de amizade, lealdade e empreendedorismo que vivenciaram com nosso saudoso pai.

A partir daí, nossa história sofre uma reviravolta, e minha mãe se viu diante de um desafio: sair de casa e assumir os negócios da família com três filhos de 15, 14 e 12 anos. Esse exemplo de superação também muito nos orgulha, temos uma mãe batalhadora que venceu, mesmo ferida por dentro, diante de duas grandes perdas que tivemos, nosso pai em 1987 e nosso irmão em 2004. Nosso irmão mais velho, Júnior, era um companheiro leal e dedicado aos negócios da empresa e que muito colaborou para o sucesso da águia Diesel.

Luiz, Luizinho, Luiz Mauro, o arquivo confidencial contará a sua história... Coincidência ou não, a águia Diesel foi fundada no mesmo ano em que você nasceu.

Quando assumiu a parte comercial da empresa, ele estava com 14 anos. Ainda estudava na parte da manhã, concluindo o segundo grau, e inúmeras vezes minha mãe fora chamada ao colégio porque ele pulava o muro e fugia da escola para ir para a empresa trabalhar. Naquela época, meados de 1988, os meninos aprendiam a dirigir cedo e, em sua grande maioria, eles dirigiam pela cidade sem a carteira de habilitação, fugindo dos guardas de trânsito.

Luiz era um deles. Ele dirigia o carro com a padronização da empresa e não demorou muito para ser conhecido dos guardas da região. Depois de saber que ele dirigia para trabalhar, visitando clientes e buscando bombas injetoras, vários guardas ao pará-lo, sabendo o porquê, ficaram seus amigos e o liberavam sem apreender o veículo.

Um desses guardas da época é hoje coronel da polícia e sempre vai à empresa relembrar as situações engraçadas dos tempos das blitz.

Entre as várias histórias ocorridas, na época ele com seus 16 anos, ainda franzino e com cara de criança, houve o caso de um cliente, diretor de um grande frigorífico, que falou com ele ao telefone para solicitar o atendimento em toda a sua frota de caminhões que estava parada, necessitando de uma revisão no sistema de injeção. O cliente veio até a empresa e, ao chegar à porta, foi recepcionado por ele, não dando muita credibilidade para aquele "menino" que o atendera, passou direto e foi até a recepcionista dizendo que queria falar com o proprietário, ela então apontou e disse que o proprietário era ele, o Luiz Mauro. Ele então solicitou que queria falar com o Luiz Mauro "pai", que o havia atendido pelo telefone, e não com o filho. Risos à parte, o cliente ainda demorou a acreditar que seria atendido por um "menino" e até hoje dá risadas do acontecido, confessando ser seu grande admirador pela garra, competência, dinamismo e espírito empreendedor.

Luiz, através deste relato, gostaríamos mesmo é de prestar uma homenagem a você pelo brilhantismo que empresta à águia Diesel e que, hoje, vocês dois se fundem em um só ser. é o Luizinho da águia Diesel ou a águia Diesel do Luizinho? Você, ao longo dos anos, dedicou a maior parte da sua vida a ela e hoje ela lhe retribui em forma de reconhecimento nacional. Eu seria um pouco mais ousada, acredito que hoje a águia Diesel seja referência mundial no ramo em que atua. Nesses quase 40 anos que se passaram, fomos Bosch Serviço, Bosch Service, Bosch Truck Service, Bosch Diesel Center e seremos tudo que vier pela frente, pois assim como a Bosch em seus 90 anos de Bosch Service no Brasil e 125 anos de existência, teremos também muitas histórias para contar...

Fechar
Imperial Diesel: como tudo começou


Tudo começou há 25 anos, quando eu estava testando uma bomba injetora e vi, através da janela, Maria passar. Foi amor à primeira vista.

Não sei se naquele dia a bomba que estava testando ficou boa, apenas sei que não parava de pensar nela.

Nessa época, trabalhávamos em uma oficina da Rede Bosch em Goiânia, chamada Imperial Diesel. Eu trabalhava como bombista e a Maria como secretária. Após alguns poucos meses de namoro, casamos e viemos morar em Brasília.

Depois de dez anos de sociedade em uma oficina com meu padrasto, em 1996, eu e minha amada esposa abrimos nossa oficina. E adivinhem o nome que nós escolhemos: Imperial Diesel. A escolha do nome da oficina foi uma homenagem à empresa em que nos conhecemos.


O começo da nossa empresa foi marcado por muitas dificuldades, mas que foram superadas pouco a pouco.

Em 2005, nossa oficina foi marcada por uma grande conquista ao ser nomeada Bosch Truck Service. Ao longo do tempo, a oficina foi crescendo e se modificando.

Neste ano, completamos 15 anos de existência. Temos 18 colaboradores, entre eles Eduardo e Rafaella, nossos filhos.

Hoje, a oficina Imperial Diesel é um sonho que se tornou realidade.

Fechar
Unidiesel e o jeep campeão

Minha concepção, tempos de criança, adolescência, pós-adolescência, vindo de São Paulo, minha terra natal, para morar em Alagoas, "Terra dos Marechais", título em alusão aos Marechais Deodoro da Fonseca e Marechal Floriano Peixoto, os dois primeiros Presidentes do Brasil, dando início à minha vida profissional ainda muito jovem.

Fui convidado para trabalhar na Comaq, Autorizada Bosch linha média/pesada em Maceió, em 1983. Eu já era bombista, passei em todos os testes e exigências da empresa. Fui contratado, nesse momento da minha aquisição, a Bosch ganhou um líder nato. Eu amadureci meus conceitos e profissionalismo e continuo trabalhando com o mesmo orgulho de defender nossa bandeira Bosch.

Naquela oportunidade de trabalho, em seguida fui convidado para fazer um curso da Bosch em Recife. Fiz o primeiro, o segundo e o terceiro, mas fui proibido naquela época de participar de um novo curso em Recife-PE, pois eu usava os cabelos longos e encaracolados tipo hippie e as políticas internas das empresas não permitiam aquele meu perfil. Fiz o melhor, o melhor atendendo as normas da empresa Comaq, Bosch, cortando os cabelos, condição para acesso ao curso e abrindo novos horizontes, fazendo o referido curso.

Em 16 de setembro de 1985, criei um nome que não tinha visto nem falar em outro lugar, Unidiesel. Comprei o primeiro teste de bico injetor em Recife-PE.

No dia 1º de março de 1986, me estalei em Arapiraca-AL, com a cara, a coragem, a bagagem profissional e Deus em primeiro lugar. Amigo, foi muito difícil. O único teste que eu tinha, que eu havia inventado para testar bomba injetora e começar a trabalhar, incendiou no dia 4 de março. Amigo, chorei, chorei muito! Chorei de verdade, naquele momento acabou minhas esperanças. Era uma sexta-feira, às 18h30. Meu irmão Valter Rocha me viu chorando e colocou a mão no meu ombro e falou: irmão, vamos comprar uma máquina nova, depois que ela chegar, não voltará mais. Eu chorando disse não, não! Não temos condições, não existe condição.

Peguei a bomba injetora que estava regulando e viajei para Maceió, a 120 km de Arapiraca, no dia seguinte, para a Comaq, empresa onde eu havia trabalhado com muito afinco. Falei com o gerente e com o filho do proprietário que, de imediato, me autorizou a fazer aquela regulagem. Naquele momento, em que estava regulando a bomba injetora, já estava preocupado com as próximas bombas que eu ia regular. Quando terminei, o gerente me chamou dizendo que, se eu quisesse continuar regulando as minhas bombas, estava permitido, desde que eu regulasse também as da empresa dele.

Prontamente aceitei com humildade, era tudo o que eu precisava naquele momento.

Voltei para Arapiraca muito feliz, ia poder dar continuidade ao meu ideal, ao meu projeto. Eu dei sequência viajando todos os dias, duas, três vezes para Maceió, com as bombas dos meus clientes, e regulava as da empresa conforme me propuseram.

Após 90 dias, o nosso teste de bomba injetora novinho chegou, equipamento de que eu tanto precisava. Olha, amigo, comprada em 10 parcelas iguais, atrasei as 4 primeiras, as demais paguei com regularidade de acordo com o vencimento, exceto as duas últimas, que paguei com 60 dias de antecedência.

Quando paguei, foi aí que percebi a minha liberdade, sabia que a partir dali tudo ia ser diferente.

No ano de 1989, eu estava com a minha empresa bem estruturada e trabalhando muito. Então me surge uma proposta para pleitear uma troca da minha empresa Unidiesel por um circo. Garanto, amigo, fiquei muito animado, achando que eu ia fazer o que eu mais queria, achava que tinha aptidão para o palco/picadeiro, até porque se desenhava em minha cabeça um sonho de criança, quando brincava de circo.

Por coincidência, minha mãe sempre falava que todos os meus sapatos ficavam com os bicos arrebitados para cima, alusão aos sapatos de palhaço, idêntico, engraçado, não é?

Então um pensamento surgiu repentinamente e analisei naquele momento. Se eu continuasse com a Unidiesel, teria condições de ser um autorizado, com o circo nunca ia conseguir ser autorizado Bosch, até porque não existe circo com a marca Bosch. O mínimo que eu ia poder fazer, e ia fazer, ao entrar no palco, seria colocar a gravata com o nome Bosch, coisa que eu nunca vi ninguém com o nome gravado numa gravata.

Voando literalmente nesse imaginário, voltei à realidade, desisti de imediato, depois fiquei muito chateado por não ter concretizado o negócio no circo.

Em breves dias surgiu a visita de um supervisor Bosch, momento em que mantivemos uma conversa muito proveitosa, mas eu não queria ser autorizado, o circo me tirou do foco para aquele que seria de início meu objetivo natural.

Meses depois reafirmei que não queria, estava muito bem assim. Recebi visita de dois gerentes de concessionárias locais que eram meus clientes habituais me aconselhando a entrar na Rede autorizada para dar suporte técnico autorizado às suas demandas de garantias do fabricante.

Dias depois, com a ideia mais fortalecida, meu irmão Valter Rocha conversou comigo mostrando a viabilidade, a importância da bandeira, e juntos conversamos com o supervisor Boach. Então me convenci do óbvio, sinalizando positivo, aceitando o convite para os trâmites iniciais e a consolidação.

Hoje somos uma empresa da Rede Bosch Truck Service, sólida, referenciada com uma clientela fertilizada, motivada, com alto nível de satisfação, motivo de muito orgulho para nós, que continuamos numa busca incessante por conhecimento, centrado nas novas tecnologias e tendências do mercado, proporcionando o melhor para nossos patrões (clientes), disponibilizando a excelência de serviço de uma empresa de nível padrão mundial.

Onde fica minha cidade?
A Unidiesel Ltda., Autorizado Bosch Truck Service, localizase na cidade de Arapiraca, em Alagoas, no Nordeste. Privilegiada por seus Marechais e situação geográfica, fica localizada no centro do Estado de Alagoas, a uma distância de:

  • 110 km da cidade do ex-presidente da República Lula, Caetés-PE.
  • 65 km da cidade da atleta do século Marta, Dois Riachos-AL.
  • 85 km da cidade dos dois primeiros ex-presidentes da República Mal. Deodoro e Mal. Floriano, Marechal Deodoro-AL.
  • 80 km das melhores Praias do Brasil, Litoral Sul-AL.
  • 120 km, não temos o atleta do século, mas temos o Estádio Rei Pelé, Maceió-AL.

Quer saber onde fica minha cidade?

  • Ela é a capital brasileira do fumo
  • A 20ª cidade que mais cresce no Brasil
  • A torcida do Palmeiras conhece minha cidade, com certeza! é a cidade da Equipe do ASA, que no confronto ASA x Palmeiras, o Asa levou a melhor eliminando o Palmeiras da Copa do Brasil.

JEEP Campeão Unidiesel/Bosch
Montei um jeep de competição com a padronização Unidiesel/ Bosch, por onde vamos causar admiração pelas pessoas. Como piloto de Jeep Cross, dei vários espetáculos, porque não dizer show de espetáculo no volante? Com isso, conquistando alguns títulos nos Estados de Alagoas e Pernambuco e no Campeonato Brasileiro de Jeep Cross.

Onde eu chego, meu carro é cercado por crianças, jovens e adultos para tirar foto, pois ele tem um rico visual. Modestamente, meu carro é muito bonito, fazendo jus às pistas com seu potencial, fazendo a diferença nos resultados, forte como a marca Unidiesel/Bosch.

Quando vou para as competições, por onde o jeep passa, o povo exclama: "Olha o carro da Bosch!" Não para por aí, ele tem uma finalidade ímpar, é minha terapia de fim de semana, onde todo estresse é eliminando na hora da competição. é no braço, na raça, piso com força, e aí naturalmente a vitória, o pódio. Nesse momento, eu nem me lembro que no outro dia é segunda-feira.

Tudo tem um significado, que gostoso defender uma bandeira e ter orgulho do que faz, esse é meu jeep 4x4, jeep campeão (categoria adaptado)! Essa é minha história, minha vida!

Fechar
A História de Zé Duqueza e da Jodiesel

90 anos do mundo
A Bosch comemorando
Pra festa ser completa
Um desafio lançando
História melhor contada
No final é premiada
Eu aqui vou começando

A Jodiesel hoje é
Da Bosch uma parceira
No Rio Grande no Norte
Em muito foi pioneira
E pra comemorar
A história vou contar
Somente a verdadeira

Começo a minha história
Falando de uma empresa
Hoje forte no mercado
A Jodiesel tem proeza
Falo também do guerreiro
Ele que foi pioneiro
Grande mestre Zé Duqueza

A vida de Zé Duqueza
Não foi pegando em caneta
Foi dentro de uma oficina
No martelo e na marreta
De carro abrindo motor
Caixa e radeador
Melado de graxa preta

Abre motor de carreta
Igual a cirurgião
A oficina pra ele
é hospital de Platão
E pra um motor abrir
Faz da chave um bisturi
Pra operar caminhão
Mecânico de profissão
Fez sua história mudar
Começou em Saboeiro
No sertão do Ceará
Zé Duqueza prosperou
Um império levantou
Mas não deixou de sonhar

Sua vida é trabalhar
Ser mecânico é seu destino
Pra ajudar sua mãe
Zé Duqueza pequenino
Com as mãos cheias de calos
Dava banho nos cavalos
Dos vaqueiros nordestinos

Em seu emprego primeiro
Que arranjou pra trabalhar
Foi ligando um gerador
Pra cidade iluminar
Sua longa caminhada
De trabalho e jornada
Começava a brilhar

Mas por gostar de fumaça
Do cheiro da gasolina
Montou logo seu negócio
Pois isso que lhe fascina
Nossa Senhora querida
Grande Mãe de Aparecida
Era o nome da oficina

Pra começar desmontou
Um jeep velho quebrado
Com nada funcionando
Há muito tempo parado
Sem farol e sem buzina
Sem freio e sem gasolina
Todo deteriorado
Daí pra cá Zé Duqueza
Começou a prosperar
Um nome comercial
Precisava-se criar
E a Jodiesel foi surgindo
Um nome bom e bem-vindo
Faltava justificar

O Jo que vem de José
O diesel tá muito claro
A fusão desses dois nomes
Formou-se um nome raro
Jodiesel assim foi criada
No sertão foi instalada
De motor tornou-se amparo

Com os anos se passando
Zé Duqueza prosperou
Muito moço e vistoso
Um namoro arrumou
Com dona Altair tão bela
Tipo atriz de novela
Zé Duqueza se casou

Desse belo casamento
Cinco filhos ali nasceram
Educação e afeto
Todos cinco obtiveram
Os negócios prosperando
Vendo ali trabalhando
Os seus pais eles cresceram

Com a Jodiesel crescendo
Espalhar necessitava
Filiais pelo estado
A surgir já começava
Vejam só que alegria
Pois não chegara o dia
Zé Duqueza prosperava

Crescendo tomando rumo
Zé Duqueza percebeu
Precisava de parceria
Com a Bosch logo ergueu
Até hoje ele sustenta
Foi na década de oitenta
Que o convênio ocorreu
Saboeiro, Juazeiro
Iguatu no Ceará
Tava bom, mas Zé Duqueza
Queria muito alcançar
Se tornar muito mais forte
No Rio Grande do Norte
Começava a pensar

Foi vindo pra Mossoró
Cidade que prosperava
No fim dos anos noventa
A Jodiesel se instalava
No seu estado vizinho
Sob muita festa e vinho
Ela era inaugurada

Chegando ao RN
Esquina do continente
A Jodiesel foi crescendo
Zé Duqueza bem contente
Pois ali tava erguida
Bela história de vida
Bem contada no presente
Mecânico caminhoneiro
Homem de luta e paz
Hoje tem setenta anos
De tudo ainda é capaz
Eu te digo com certeza
Tem coisas que faz Zé Duqueza
Que cabra novo não faz

Dessa história resta apenas
O seu autor assinar
Luciano é o meu nome
Aqui vou me apresentar
Sou filho de Zé Duqueza
Dele herdei a certeza
De não parar de sonhar

Finalizo essa história
De um homem exemplar
A Bosch solicitou
Ao aniversariar
Aproveitando o ensejo
Expresso aqui meu desejo
Que é esse prêmio ganhar