Como evitar incendios campo queimadas plantações

Incêndios no campo: Como evitar?

O aumento dos incêndios no campo é uma questão que preocupa não só os produtores, mas também o poder público. Os prejuízos da queimada se refletem na economia e na produtividade. Logo, a missão do Brasil de se tornar o principal produtor agropecuário do mundo fica atrasada, pois o país precisa melhorar diversos aspectos.

Mas como os produtores podem fazer para reverter esse quadro? De fato, o que mais pesa quando há uma alta incidência de queimadas no campo? Como as tecnologias podem ajudar a evitar que o fogo se alastre? Neste artigo, a Bosch traz para você um panorama sobre incêndios no campo e as tecnologias que vêm sendo usadas para minimizar os impactos trazidos por eles ao agronegócio. Confira!

A alta ocorrência de incêndios no Brasil

Queimadas Plantações Evitar incêndio Campo

Uma comparação entre os anos de 2019 e 2018 mostrou que o Brasil teve um aumento significativo, que ultrapassou a casa de 80%, em relação a incidências de queimadas, sendo o maior número detectado em sete anos. Mas o que leva a essa situação?

A lei permite que produtores utilizem fogo para abrir pastagens, o que é comum na agropecuária brasileira. A ideia é eliminar as chamadas ervas daninhas e até mesmo acrescentar nutrientes ao solo que venham desse material queimado. Essa prática apresenta resultados em curto prazo, mas, em longo prazo, a realidade é outra e pode trazer uma série de problemas ao produtor.

Além desse cenário no campo, o que tem acontecido também é a alta interferência humana em áreas de preservação ambiental. Apesar de essa ação ser a maior causadora dos incêndios, o Brasil também sofre com uma alta quantidade de raios que elevam as chances de queimadas especialmente nas áreas secas e quentes (resultado do aumento de temperatura), pois esses fatores facilitam a expansão do fogo.

Os prejuízos dos incêndios no campo

Os incêndios no campo são capazes de causar dezenas de prejuízos, a começar pelas questões ambientais, que causam a morte de vários animais silvestres e a destruição de matas nativas. Há muitas perdas para um país que tem uma série de queimadas — especialmente por parte dos governos de outros países que veem a situação com maus olhos, o que inclusive prejudica relações comerciais internacionais, trazendo prejuízos econômicos. 

Porém, voltando o olhar para o campo, o produtor também é bastante prejudicado no processo. Quando as queimadas atingem as suas propriedades de cultivo, há perda de hectares inteiros, e a falta de matéria orgânica no solo eleva os índices de improdutividade. Aliás, falando em solo, ele fica exposto a uma série de intempéries,

pois há danos nas suas particularidades orgânicas, causando a erosão em determinados casos.

A redução da umidade no solo é outra consequência, fazendo com que ele seja compactado, prejudicando a expansão e o respiro das raízes das plantas cultivadas. Com isso, muito do que é plantado não germina, o que significa um gasto a mais para o produtor. Em longo prazo, elementos essenciais para a vida vegetal, como nitrogênio e fósforo, são eliminados.

Sem contar que os incêndios provocam a emissão de gases danosos à atmosfera, contribuindo para o efeito estufa e aquecimento global. A fauna e a flora também são bastante afetadas, provocando perdas significativas na biodiversidade do local.

Queimadas Plantações Evitar incêndio Campo

A importância da vigilância para prevenir incêndios no campo

A prevenção é colocada como a prática mais importante no combate aos incêndios no campo. Para isso, é importante que a vigilância seja feita antes mesmo do período crítico de queimadas, que costuma ocorrer em determinadas épocas do ano, especificamente de junho a novembro. A primeira coisa é verificar se na propriedade existem os chamados aceiros — faixas de terra próximas a cercas sem qualquer vegetação, que evitam que o fogo se alastre.

Outra atividade é reduzir a presença de materiais inflamáveis próximos às áreas de cultivo e também ter água disponível sempre. Nesse caso, é importante contar com meios de transporte que facilitem esse trabalho, evitando que a extensão do problema seja ainda maior. Cabe ressaltar que, em áreas afastadas e de grande extensão, a ação para combater incêndios não é simples e exige um planejamento de combate ao fogo, justamente devido às dificuldades de se chegar ao local. 

É preciso contar com equipamentos (por exemplo, tratores e bombas d’água) que poderão ajudar no controle e combate ao fogo.

Vale ressaltar que tais aspectos da vigilância devem ser acompanhados da adoção de medidas que possam eliminar a origem e até mesmo a causa dos incêndios, bem como diminuir os riscos de propagação das queimadas.

A vigilância consiste também no monitoramento constante da propriedade rural. Apesar de, em certos casos, ser possível colocar fogo para abrir pastagens, existem regras a serem cumpridas — caso contrário, o produtor precisa arcar com consequências, como multas.

Segundo a Confederação da Agricultura e Pecuária do Brasil (CNA), os proprietários devem manter em sua posse registros fotográficos de:

  • Áreas de Preservação Permanente (APP);
  • Áreas de Reserva Legal (ARL);
  • Aceiros (ação obrigatória em toda propriedade rural);
  • Cercas, se houver;
  • Ações de prevenção e treinamento para o controle do fogo desenvolvido na propriedade;
  • Aquisição e manutenção de equipamentos de combate ao fogo, como abafadores e Equipamentos de Proteção Individual (EPIs).

O papel da tecnologia no processo de prevenção de incêndios

O Brasil chega a registrar, nos meses mais secos do ano, mais de 40 mil grandes focos de incêndio — uma preocupação para a saúde, para o meio ambiente e para a produção agrícola. Nas épocas com menor umidade relativa do ar, o fogo se espalha mais facilmente, destruindo lavouras e causando grandes prejuízos.

O problema tem efeitos diversos, aponta o Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (Inpe), que monitora focos no país por meio de satélites. Localmente, “as queimadas destroem a fauna e a flora, empobrecem o solo, reduzem a penetração de água no subsolo e, em muitos casos, causam mortes, acidentes e perda de propriedades”. Em âmbito regional, geram poluição atmosférica, prejudicando a saúde de milhares de pessoas, além de destruírem ecossistemas. Em nível global, estão associadas às modificações no clima do planeta.

Queimadas Plantações Evitar incêndio Campo

Identificação rápida de focos de incêndio

Para dificultar a propagação do fogo, a vigilância por câmeras pode fazer a diferença. A MIC 7000 HD da Bosch, acoplada a um software, identifica com rapidez focos de incêndio em um raio de até 15 quilômetros. Com rotações laterais em 360º e movimentos no sentido vertical, a câmera é especialmente útil em canaviais e plantações de eucalipto.

O software usado na detecção distingue nuvens ou neblinas da fumaça provocadas pela queima, minimizando os riscos de falsos alarmes. A câmera não só visualiza incêndio ainda em estágio inicial como indica as coordenadas exatas do problema, o que ajuda as brigadas a chegarem rapidamente ao foco. Saiba mais como ela funciona:

Prevenção em áreas cobertas

As áreas abertas das fazendas são as mais sujeitas a incêndio, mas o problema pode chegar a — ou mesmo ter início em — locais cobertos, como armazéns, granjas e estábulos. Tais áreas também podem ser monitoradas por câmeras, como a Aviotec da Bosch.

O equipamento detecta dois fatores relacionados ao fogo: a própria chama (por meio da cor, da cintilação e do formato) e a fumaça (por meio de sua propagação em velocidade constante e do movimento que faz de baixo para cima).

Para armazéns de grãos, a Aviotec traz uma importante vantagem: seu sistema não perde capacidade de detecção mesmo com grande quantidade de poeira, comum nesses ambientes. Assim, não deflagra alarmes falsos nem requer limpeza tão frequente.

Outro benefício: a câmera reconhece princípio de incêndio mesmo em locais com mais de cinco metros de altura, nos quais a fumaça demora a chegar ao teto. Isso ajuda a reduzir as proporções da queimada e facilita o seu combate. Uma vez comprovado o problema, o sistema é capaz de tomar as mais variadas ações, que vão desde emitir um alerta até acionar esguichos automaticamente. 

Visto isso, a prevenção de incêndios no campo exige não somente a vigilância, mas também a aplicação de tecnologias modernas que contribuem para a identificação de focos de incêndio e permitem uma atitude rápida.

Diante de cenários como o encontrado no Brasil, em que há uma grande concentração de queimadas devido às condições do clima e até mesmo interferência humana, que é uma das maiores causadoras de incêndios, a Bosch surge como uma parceira para o campo, trazendo tecnologia de qualidade para o dia a dia.

Interessado nas soluções Bosch para o Agronegócio?

Compartilhe isso no: